Qual é a diferença entre SSD vs HDD?

Vamos começar pelo H.D.D. (sigla em Inglês) que significa Disco Rígido ou Hard Disk Drive (H.D.D.). O primeiro H.D.D. Surgiu em 1956, construído pela IBM, este disco rígido armazenava 5 Mega bytes e não foi posto a venda. Pouco tempo depois, em 1973, a IBM lançou um H.D.D. que armazenava 10 Mega bytes, o 30/30 Winchester, que custava em media dois mil Dólares. Hoje em dia é possível encontrar H.D.D. para Notebook ou para computador de mesa (Desktop) por menos de 500,00 R$. Notebooks usam discos rígidos com um tamanho padrão para esse dispositivo, medido em polegadas. Sempre que você estiver em busca de um H.D.D. interno para o seu notebook, você deve procurar modelos de 2,5" polegadas, são menores e mais finos do que os tradicionais H.D.Ds. para Desktop.



Exemplo de modelo H.D.D. para Notebook



O armazenamento do H.D.D. é contado normalmente em GB (Gigabytes), porém atualmente já existe discos rígidos com capacidade de TB (Tera Bytes - 1024 GB). Para se ter acesso aos dados do HD, é necessário um Sistema operacional que pode ser do tipo Windows, Linux, Mac OS, entre outros.


Todas as informações são salvas nestes dispositivos, ou seja, fotos, músicas, o sistema que você utiliza, tudo depende dele. Por ser uma tecnologia antiga, porém ainda muito comum nos dias de hoje, ele possui um tipo de funcionamento peculiar. Funciona assim: Imagine um conjunto de discos magnéticos, estes discos parecidos com um DVD (outro tipo de mídia para resguardar dados) ficam alinhados e sobrepostos em camadas, um em cima do outro, como um sandwich, girando em torno do seu próprio eixo em velocidades incríveis de até 7200 RPM (7200 giros por segundo), e quem faz essa leitura é um cabeçote com uma agulha. Esta é muito sensível, se receber muitas batidas pode se deslocar e o H.D.D. perde a sua utilidade. Nestes casos é quase impossível recuperar dados do H.D.D. pois ele é composto de peças mecânicas que podem se desgastar com o tempo. Sabe àquelas vezes que você pega o seu notebook da sala e vai pro quarto com ele ligado e daí (bam!!!) joga ele na cama... aparentemente tudo normal não é mesmo? #sóquenão! Depois você liga e dá uma tela preta? Mas porquê? Pois saiba que devido ao funcionamento, com um conjunto de discos girando e um impacto mecânico, você já pode ter comprometido o funcionamento de sua máquina.


Em verdade, os H.D.Ds. podem durar muito tempo se forem bem conservados em ambientes com zero movimento, boa ventilação (digo temperatura) e alimentação de energia apropriada, podendo chegar a vida útil de 20 anos ou mais. Seria essa uma vantagem!?



Exemplo de 2 modelos para S.D.D. sendo o menor do tipo NVMe e o maior do tipo SATA



Em contraposto a isso temos um outro tipo de tecnologia, mais recente, me refiro agora aos S.S.Ds. (Solid State Disk) ou discos de estado sólido. Muito mais rápido, o SSD não possui discos físicos ou agulhas magnéticas, sendo capaz de acessar dados em uma fração de segundo e tornar seu computador mais ágil para abrir programas e executar tarefas. Ele consiste basicamente em um tipo de cartão de memória, semelhante a memórias RAM, porém sua estrutura permite salvar as informações quando desligado, ou seja, ele armazena dados de forma eficiente, gastando pouquíssima energia e a velocidades de 3x a 20x mais rápido que o tradicional H.D.D.


Por ser constituído com módulos de memória, o S.S.D. não possui o funcionamento com partes mecânicas, sendo muito mais resistente a impactos físicos. Sua vida útil consiste na capacidade de gravação de cada módulo, ou seja, milhões de vezes em que unidades de informação serão gravadas e lidas por bloco de unidade informacional que são entendidos por clusters de Particionamento (esse assunto será abordado com mais detalhes em outra matéria). Nos sites dos fornecedores oficiais encontramos a garantia do fornecedor com prazo de 5 anos, porém na prática, para o usuário doméstico esse tempo em média é bem maior chegando à 10 anos ou mais, a depender da forma como ele é utilizado no dia a dia.


A troca ou substituição de uma H.D.D. para um S.S.D. é muito mais simples do que se imagina, por se tratar de encaixes que seguem o mesmo padrão. Todavia segue uma única preocupação que rege como será feita a migração do sistema operacional, caso seja necessário uma instalação limpa do começo ou backup dos dados. Podendo ser adquirida uma nova licença para o software. Dependendo da técnica empregada, há casos em que o sistema legado pode ser migrado para a nova interface.

.

23 visualizações0 comentário